segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Hora do conto: Ações e Destino

.:. Ações e destinos  .:. Conto da Índia
 Recontado por Giliane Ingratta Góes 

Numa floresta vivia um eremita que era capaz de predizer o futuro. Pessoas iam sem parar querendo saber o seu destino, a ponto que mal sobrava tempo para o sábio meditar. Então, ele embrenhou-se cada vez mais na floresta e, finalmente, conseguiu escapar da multidão e reencontrar a paz. 

Um dia, Vidur e Vijay perderam-se na floresta. Os dois amigos vaguearam à procura de um abrigo e, já de noite, avistaram uma luz no meio das árvores. Aproximaram-se da cabana e, pela janela, descobriram um velho mergulhado em profunda meditação. Logo imaginaram que ele devia ser o eremita famoso por suas predições. 

Entraram em silêncio, sentaram no chão e esperam. Quando o eremita abriu os olhos, prostraram-se diante dele.  O eremita deu-lhes algumas frutas e ouviu sua história. 

"Podem descansar", disse, "amanhã um dos meus discípulos mostrará a vocês como sair da floresta". 
Na hora da partida, os dois amigos não resistiram e pediram ao eremita que falasse sobre seu futuro. Este respondeu: 
"Devem saber que não gosto de predizer o futuro. Além disso, seu futuro como está agora, pode vir a mudar."  Mas a curiosidade dos dois jovens venceu a resistência do eremita. 
"Está bem", disse ele, "Sentem-se" e ele mergulhou num profundo estado meditativo. 
Então, olhando para Vidur, disse com voz firme: 
"Você será um rei daqui a um ano". 
E olhando para Vijay, disse: 
"Sinto dizer que, daqui a um ano, você morrerá nas mãos de um assassino." 
Os dois amigos inclinaram-se, agradeceram e seguiram o discípulo que havia chegado com o nascer do sol e que ia guiá-los. Uma vez na floresta, Vidur não podendo conter a alegria dançava como um possesso. Vijay, por sua vez, ficava cada vez mais sombrio, o que era muito natural. 
De volta à cidade, Vidur passou a se comportar com orgulho e arrogância. Quando ficava aborrecido com uma pessoa ameaçava usar o seu futuro poder para castigá-la. 
Vijay, que era um professor, fazia seu trabalho com devoção, servia as pessoas à sua volta e passava o resto de seu tempo orando. Aos poucos, o medo e a tristeza foram se afastando. Ele deixou de pensar na morte e sentiu-se em paz. Havia se colocado nas mãos da Providência. 
Nove meses se passaram. Um dia, Vidur convidou Vijay a acompanhá-lo para procurar um lugar onde construir seu futuro palácio. Subindo uma colina para, do seu topo, contemplar a região, Vidur tropeçou num pote meio enterrado. Quando viu o ouro que havia nele ficou pulando de alegria e gritando: "Minha sorte está chegando! Logo serei rei!" 
Então, um bandido surgiu, como se tivesse caído do céu, e tentou arrancar o pote das mãos de Vidur. Vijay agarrou o ladrão e, na luta que seguiu, teve o ombro ferido pelo punhal do bandido. Este, no entanto, reconhecendo a superioridade de seu adversário, achou melhor fugir. 
Vidur, agradecido, quis dividir com seu amigo a riqueza que o pote continha. Vijay recusou, pois como havia de morrer logo, não necessitava de dinheiro. 
Como Vidur tinha certeza que este ouro era apenas o início de uma fortuna muito maior, foi gastando à-toa tudo que tinha. Finalmente, um ano se passou. Vidur não tinha se tornado rei e Vijay ainda estava vivo. Os dois amigos resolveram procurar o eremita para que explicasse essa situação misteriosa.
"Senhor, por que suas profecias deram errado?", perguntaram-lhe quando o encontraram. 
O eremita sentou-se em meditação por um longo tempo. Então, disse a Vidur: 
"Seu destino mudou por causa de suas estúpidas ações durante estes meses. A coroa que lhe era destinada, foi reduzida a um pote cheio de ouro que você achou no campo". 
Virando-se então para Vijay, disse: 
"Suas preces, humildade e confiança na Providência mudaram seu destino também. A morte pela mão de um assassino foi reduzida a um mero ferimento". 
Os dois amigos fizeram uma profunda reverência e tomaram o caminho de volta em silêncio.

domingo, 17 de setembro de 2017

Caráter e Reputação - William Hersey Davis

Direto do Túnel do Tempo...relembrando um dia de setembro de 2014

As circunstâncias em que você vive determinam a sua reputação;
A verdade em que você acredita determina seu caráter.
A reputação é o que se supõe que você seja;
O caráter é o que você é.


 A reputação é a fotografia;
O caráter é o rosto.
A reputação vem sobre você de fora;
O caráter cresce de dentro.

A reputação é o que você tem quando chega a uma comunidade nova;
O caráter é o que você tem quando vai embora.
A sua reputação é conhecida em uma hora;
O seu caráter não aparece em um ano.
A reputação é feita em um momento;
O caráter é construído em uma vida.
A reputação cresce como um cogumelo;
O caráter cresce como um carvalho.

Uma única notícia de jornal dá a sua reputação;
Uma vida de trabalho dá o seu caráter.
A reputação fará você rico ou fará você pobre;
O caráter fará você feliz ou fará você miserável.
A reputação é o que os homens dizem de você junto à sua sepultura;
O caráter é o que os Anjos dizem de você diante do trono de Deus.

Texto lido na solenidade de entrega da minha carteira da Oab, em uma tarde de setembro de 2014. Direto do túnel do tempo....

Uma vez li uma entrevista, não me lembro bem, mas creio que do Dalai Lama, que dizia ser bom, relembrar,  algum momento gostoso, importante, ou um texto marcante, para reforçar os valores internos os ideais os  sonhos, principalmente diante das pressões dos ambientes complexos, que insistem em  te convencer a desacreditar de um sonho.
No mais... 
DEIXA A GENTE!!

sábado, 16 de setembro de 2017

Deixar ir embora - Entrego, Confio, Aceito e Agradeço

Momento poesia...


"Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama… Amor próprio"

"Entre as margens da dor e prazer o rio da vida FLUI...
 É só quando a mente se recusa a fluir com a vida e fica presa nas margens,
 que se torna um problema. 
Fluir quer dizer aceitação, deixar vir o que vem e ir o que vai."
 (Sri Nisargadatta Majarj).



sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Silencia - Reflexões

Das introspeções nossas de cada dia...

 Silencia
Escuta o coração
Te cala.
Escuta o som do teu coração
Silencia, Inspira...
Aceita a voz do teu coração
Confia

Medita...
Ajusta a coluna
Ajusta a postura
Sente a vibração
Sente o teu Anjo?
Ancora o teu Anjo

Observa...
Sente os movimentos
Segue com paz.ciência
Inspira...
Solta...Desata...

Confia
Segue em frente
Enfrente
Com sorrisos
Com Silêncios
Com arte
Com humor

Segue
Solta o freio
Aceite o beijo
Beije...
Ame...
Dance...
Com magia 
Com prazer
Com-paixão 

Agradece...
Nova vida
Novo Tempo
Novas relações
Novo Ciclo
Desabrochou

Inverno, 13/09/2017 
.:. 



terça-feira, 12 de setembro de 2017

Rumi explica...

"À noite, pedi a um velho sábio
que me contasse todos os segredos do universo.
Ele sussurrou lentamente em meu ouvido:
- Isto não se pode dizer, isto se aprende."

.:. Jalal ad-Din Muhammad Rumi .:. 
 Jurista, Teólogo e Poeta Sufi - (1202-1273)



segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O menino teimoso - Irmãos Grimm

Hora do conto com irmãos Grimm

.:. O MENINO TEIMOSO .:.
(irmãos Grimm, 1874)


Houve, uma vez, um menino muito teimoso, que nunca fazia o que mandava a mãe. Então, Deus, descontente com ele, fê-lo adoecer. Chamaram os médicos, mas nenhum conseguiu salvá-lo e, dentro de poucos dias, o menino foi colocado no leito de morte. Depois que o enterraram e cobriram a campa de terra, de repente surgiu pra fora da campa um bracinho erguido para o alto. Tornaram a colocá-lo debaixo da terra, cobrindo-o melhor, mas em vão; o bracinho insistia em sair para fora. Então, a mãe teve de ir à campa e com uma varinha bater no bracinho; só assim o menino descansou em paz debaixo da terra. 


IPC - Importante Pra Caramba: Assim como minhas irmãs faziam comigo quando criança. Procuro manter a tradição da nossa família, transmitindo de geração em geração esse conto. Sempre que posso, ou que necessário, conto essa estória aos meus abençoados sobrinhos.

Dançapé: Monica Salmaso

Da série eu não me canso de ouvir... 

"Ijexá, Jarê, Cabecilê
Mana Chica vai dançá
Sinhazinha vem sambá"