segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Hora do conto: Ações e Destino

.:. Ações e destinos  .:. Conto da Índia
 Recontado por Giliane Ingratta Góes 

Numa floresta vivia um eremita que era capaz de predizer o futuro. Pessoas iam sem parar querendo saber o seu destino, a ponto que mal sobrava tempo para o sábio meditar. Então, ele embrenhou-se cada vez mais na floresta e, finalmente, conseguiu escapar da multidão e reencontrar a paz. 

Um dia, Vidur e Vijay perderam-se na floresta. Os dois amigos vaguearam à procura de um abrigo e, já de noite, avistaram uma luz no meio das árvores. Aproximaram-se da cabana e, pela janela, descobriram um velho mergulhado em profunda meditação. Logo imaginaram que ele devia ser o eremita famoso por suas predições. 

Entraram em silêncio, sentaram no chão e esperam. Quando o eremita abriu os olhos, prostraram-se diante dele.  O eremita deu-lhes algumas frutas e ouviu sua história. 

"Podem descansar", disse, "amanhã um dos meus discípulos mostrará a vocês como sair da floresta". 
Na hora da partida, os dois amigos não resistiram e pediram ao eremita que falasse sobre seu futuro. Este respondeu: 
"Devem saber que não gosto de predizer o futuro. Além disso, seu futuro como está agora, pode vir a mudar."  Mas a curiosidade dos dois jovens venceu a resistência do eremita. 
"Está bem", disse ele, "Sentem-se" e ele mergulhou num profundo estado meditativo. 
Então, olhando para Vidur, disse com voz firme: 
"Você será um rei daqui a um ano". 
E olhando para Vijay, disse: 
"Sinto dizer que, daqui a um ano, você morrerá nas mãos de um assassino." 
Os dois amigos inclinaram-se, agradeceram e seguiram o discípulo que havia chegado com o nascer do sol e que ia guiá-los. Uma vez na floresta, Vidur não podendo conter a alegria dançava como um possesso. Vijay, por sua vez, ficava cada vez mais sombrio, o que era muito natural. 
De volta à cidade, Vidur passou a se comportar com orgulho e arrogância. Quando ficava aborrecido com uma pessoa ameaçava usar o seu futuro poder para castigá-la. 
Vijay, que era um professor, fazia seu trabalho com devoção, servia as pessoas à sua volta e passava o resto de seu tempo orando. Aos poucos, o medo e a tristeza foram se afastando. Ele deixou de pensar na morte e sentiu-se em paz. Havia se colocado nas mãos da Providência. 
Nove meses se passaram. Um dia, Vidur convidou Vijay a acompanhá-lo para procurar um lugar onde construir seu futuro palácio. Subindo uma colina para, do seu topo, contemplar a região, Vidur tropeçou num pote meio enterrado. Quando viu o ouro que havia nele ficou pulando de alegria e gritando: "Minha sorte está chegando! Logo serei rei!" 
Então, um bandido surgiu, como se tivesse caído do céu, e tentou arrancar o pote das mãos de Vidur. Vijay agarrou o ladrão e, na luta que seguiu, teve o ombro ferido pelo punhal do bandido. Este, no entanto, reconhecendo a superioridade de seu adversário, achou melhor fugir. 
Vidur, agradecido, quis dividir com seu amigo a riqueza que o pote continha. Vijay recusou, pois como havia de morrer logo, não necessitava de dinheiro. 
Como Vidur tinha certeza que este ouro era apenas o início de uma fortuna muito maior, foi gastando à-toa tudo que tinha. Finalmente, um ano se passou. Vidur não tinha se tornado rei e Vijay ainda estava vivo. Os dois amigos resolveram procurar o eremita para que explicasse essa situação misteriosa.
"Senhor, por que suas profecias deram errado?", perguntaram-lhe quando o encontraram. 
O eremita sentou-se em meditação por um longo tempo. Então, disse a Vidur: 
"Seu destino mudou por causa de suas estúpidas ações durante estes meses. A coroa que lhe era destinada, foi reduzida a um pote cheio de ouro que você achou no campo". 
Virando-se então para Vijay, disse: 
"Suas preces, humildade e confiança na Providência mudaram seu destino também. A morte pela mão de um assassino foi reduzida a um mero ferimento". 
Os dois amigos fizeram uma profunda reverência e tomaram o caminho de volta em silêncio.

domingo, 17 de setembro de 2017

Caráter e Reputação - William Hersey Davis

Direto do Túnel do Tempo...relembrando um dia de setembro de 2014

As circunstâncias em que você vive determinam a sua reputação;
A verdade em que você acredita determina seu caráter.
A reputação é o que se supõe que você seja;
O caráter é o que você é.


 A reputação é a fotografia;
O caráter é o rosto.
A reputação vem sobre você de fora;
O caráter cresce de dentro.

A reputação é o que você tem quando chega a uma comunidade nova;
O caráter é o que você tem quando vai embora.
A sua reputação é conhecida em uma hora;
O seu caráter não aparece em um ano.
A reputação é feita em um momento;
O caráter é construído em uma vida.
A reputação cresce como um cogumelo;
O caráter cresce como um carvalho.

Uma única notícia de jornal dá a sua reputação;
Uma vida de trabalho dá o seu caráter.
A reputação fará você rico ou fará você pobre;
O caráter fará você feliz ou fará você miserável.
A reputação é o que os homens dizem de você junto à sua sepultura;
O caráter é o que os Anjos dizem de você diante do trono de Deus.

Texto lido na solenidade de entrega da minha carteira da Oab, em uma tarde de setembro de 2014. Direto do túnel do tempo....

Uma vez li uma entrevista, não me lembro bem, mas creio que do Dalai Lama, que dizia ser bom, relembrar,  algum momento gostoso, importante, ou um texto marcante, para reforçar os valores internos os ideais os  sonhos, principalmente diante das pressões dos ambientes complexos, que insistem em  te convencer a desacreditar de um sonho.
No mais... 
DEIXA A GENTE!!

sábado, 16 de setembro de 2017

Deixar ir embora - Entrego, Confio, Aceito e Agradeço

Momento poesia...


"Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama… Amor próprio"

"Entre as margens da dor e prazer o rio da vida FLUI...
 É só quando a mente se recusa a fluir com a vida e fica presa nas margens,
 que se torna um problema. 
Fluir quer dizer aceitação, deixar vir o que vem e ir o que vai."
 (Sri Nisargadatta Majarj).



sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Silencia - Reflexões

Das introspeções nossas de cada dia...

 Silencia
Escuta o coração
Te cala.
Escuta o som do teu coração
Silencia, Inspira...
Aceita a voz do teu coração
Confia

Medita...
Ajusta a coluna
Ajusta a postura
Sente a vibração
Sente o teu Anjo?
Ancora o teu Anjo

Observa...
Sente os movimentos
Segue com paz.ciência
Inspira...
Solta...Desata...

Confia
Segue em frente
Enfrente
Com sorrisos
Com Silêncios
Com arte
Com humor

Segue
Solta o freio
Aceite o beijo
Beije...
Ame...
Dance...
Com magia 
Com prazer
Com-paixão 

Agradece...
Nova vida
Novo Tempo
Novas relações
Novo Ciclo
Desabrochou

Inverno, 13/09/2017 
.:. 



terça-feira, 12 de setembro de 2017

Rumi explica...

"À noite, pedi a um velho sábio
que me contasse todos os segredos do universo.
Ele sussurrou lentamente em meu ouvido:
- Isto não se pode dizer, isto se aprende."

.:. Jalal ad-Din Muhammad Rumi .:. 
 Jurista, Teólogo e Poeta Sufi - (1202-1273)



segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O menino teimoso - Irmãos Grimm

Hora do conto com irmãos Grimm

.:. O MENINO TEIMOSO .:.
(irmãos Grimm, 1874)


Houve, uma vez, um menino muito teimoso, que nunca fazia o que mandava a mãe. Então, Deus, descontente com ele, fê-lo adoecer. Chamaram os médicos, mas nenhum conseguiu salvá-lo e, dentro de poucos dias, o menino foi colocado no leito de morte. Depois que o enterraram e cobriram a campa de terra, de repente surgiu pra fora da campa um bracinho erguido para o alto. Tornaram a colocá-lo debaixo da terra, cobrindo-o melhor, mas em vão; o bracinho insistia em sair para fora. Então, a mãe teve de ir à campa e com uma varinha bater no bracinho; só assim o menino descansou em paz debaixo da terra. 


IPC - Importante Pra Caramba: Assim como minhas irmãs faziam comigo quando criança. Procuro manter a tradição da nossa família, transmitindo de geração em geração esse conto. Sempre que posso, ou que necessário, conto essa estória aos meus abençoados sobrinhos.

Dançapé: Monica Salmaso

Da série eu não me canso de ouvir... 

"Ijexá, Jarê, Cabecilê
Mana Chica vai dançá
Sinhazinha vem sambá"





domingo, 10 de setembro de 2017

Aos domingos sempre arroz de forma: Reflexões

Aos domingos sempre arroz de forma...

Hoje eu acordei pensando no que eu falaria, para mim mesma, num momento de introspecção.  Seria mais ou menos assim:

  Não desrespeite a sua angustia. Não desrespeite a sua intuição. Não desrespeite a sua natureza. Cuida para não perder o teu instinto, aquela percepção, instinto de bicho mesmo. de preservação. Esses receios, essas angustias, geralmente são sinalizadores de que algo não anda legal. Pois a alegria verdadeira é serena. A verdade não chega causando alardes, ela chega serena, como uma intuição.
Se tá difícil, acalma...te acalma...
Respira....fecha os olhos e respira mais uma vez...
Calma...
Te amo! 





sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Apenas Duas Palavras: Contos Zen

O Zen explica... ☺


Apenas duas palavras...

Havia um certo Monastério Soto Zen que era muito rígido. Seguindo um estrito voto de silêncio, a ninguém era permitido falar. Mas havia uma pequena exceção a esta regra: a cada 10 anos os monges tinham permissão de falar apenas duas palavras. Após passar seus primeiros dez anos no Monastério, um jovem monge foi permitido ir ao monge Superior.

-Passaram-se dez anos. Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer? disse o monge Superior.
- Cama dura... disse o jovem.
- Entendo...replicou o monge Superior.

 Dez anos depois, o monge retornou à sala do monge Superior.
- Passaram-se mais dez anos, quais são as duas palavras que você gostaria de dizer? disse o Superior. 
- Comida ruim...disse o monge. 
- Entendo... replicou o Superior. 

Mais dez anos se foram e o monge uma vez mais encontrou-se com o seu Superior, que perguntou:
-Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer, após mais estes dez anos?
-Eu desisto. disse o monge.
-Bem, eu entendo o porquê, replicou, cáustico, o monge Superior. Tudo o que você sempre fez foi reclamar.

Este é um conto recitado e comum em alguns locais Soto ocidentais. Não existe certeza se é um conto Zen original. Esta aqui nos faz rir, mas também nos encoraja a refletir sobre o quê há de engraçado nisso tudo... Pois FOCALIZAR NO NEGATIVO também não leva para lugar nenhum.



Imagem e conto retirado da internet. 

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Ela acreditava em anjos

Momento poesia...em algum lugar, abaixo da Linha do Equador. 

Uma amiga, que trabalha como psicologa, numa instituição de crianças abandonadas, pediu que recitasse umas poesias, para um grupo de 40 crianças. Ela me adiantou essa aqui, de autoria do cantor da banda eva: ANJO... muito linda, amei demais...segue a poesia, recitada pelo autor. 


"Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam..."
(LISPECTOR)

Anjo

Hoje eu acordei mais cedo
E fiquei te olhando dormir 
Imaginei algum suposto medo
Para que tão logo 
Pudesse te cobrir

Tenho cuidado de você
Todo esse tempo
Você esta sob o meu abraço
E minha proteção
Tenho visto você errar e crescer
Amar e voar

Você sabe onde pousar
Ao acordar já terei partido
Ficarei de longe, escondido
Mas sempre perto decerto
Como se eu fosse humano, vivo
Vivendo pra te cuidar, te proteger
Sem você me ver
Sem saber quem sou
Se sou anjo
Ou se sou
Seu amor

(...)
Banda Eva - Anjo



quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Vida Bela, Vida! - Almir Sater

Da série: Eu hoje amanheci cantando...

Desde cedo, veio essa música, que parece que rouba a alma da gente pra outro lugar. Como é chato, acordar e simplesmente querer ficar calada e não poder rsrs. Poderia ser decretado um dia na terra, onde todo ser humano, tivesse o direito, de apenas ficar calado, principalmente quando solicitado, onde o cumprimento, fosse somente, um simples sorriso...seja com os lábios, com os olhos...reverberando o bem, bons votos, bons sentimentos e namastê

[...] Vida bela linda vida, só quero viver Muito tempo ainda junto com você Vida bela linda vida Por que não viver Muito tempo ainda junto com você Junto com você



segunda-feira, 4 de setembro de 2017

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Millôr Fernandes explica....

Manhã ensolada de sexta...

"Sou um humanista. Isso não significa ser bonzinho ou acreditar que o homem é bonzão. Significa apenas que aceito o homem como é - medroso, primário, invejoso, incapaz, acertando por acaso e errando por vaidade e ignorância: meu irmão."


Imagem da internet

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Recomece - Bráulio Bessa

Salve galera que ainda vem aqui, o mês de agosto, foi pauleira, hoje eu sei, na pele o significado da frase: "mês de agosto, mês do desgosto". 
Ao mesmo tempo que foi um mês, pesado, seco, tenso, difícil de suportar, também foi um mês de grandes aprendizados... Afinal, como diz aquele dito, "o que não te mata, te deixa mais forte" 

E essa poesia, resume tudo... Recebi hoje, da amada Graci, minha mãe de afeto, que parece que tem uma bola de cristal, que sente quando as coisas, andam tensas. Daí ela enviou esse poema...

R.e.c.o.m.e.c.e 

Quando a vida bater forte e a sua alma sangrar
Quando esse mundo pesado lhe ferir lhe esmagar… 
Recomece a Lutar...





terça-feira, 20 de junho de 2017

Perguntaram a Rumi - poeta Sufi

Perguntaram a Jalal ad-Din Muhammad Rumi, mestre espiritual persa do século XIII:



Mestre o que é veneno?
– Qualquer coisa além do que precisamos é veneno. Pode ser poder, preguiça, comida, ego, ambição, medo, raiva, ou o que for.
O que é o medo?
– Não aceitação da incerteza. Se aceitamos a incerteza, ela se torna aventura.
E o que é a inveja?
– Não aceitação do bem no outro. Se aceitamos o bem, se torna inspiração.
E o que é raiva?– Não aceitação do que está além do nosso controle. Se aceitamos, se torna tolerância.
O que é ódio?
– Não aceitação das pessoas como elas são. Se aceitamos incondicionalmente, então se torna amor.

O que é maturidade espiritual?

1. É quando você para de tentar mudar os outros e se concentra em mudar a si mesmo.
2. É quando você aceita as pessoas como elas são.
3. É quando você entende que todos estão certos em sua própria perspectiva.
4. É quando você aprende a “deixar ir”.
5. É quando você é capaz de não ter “expectativas” em um relacionamento, e se doa pelo bem de se doar.
6. É quando você entende que o que você faz, você faz para a sua própria paz.
7. É quando você para de provar para o mundo, o quão inteligente você é.
8. É quando você não busca aprovação dos outros.
9. É quando você para de se comparar com os outros.
10. É quando você está em paz consigo mesmo.
11. Maturidade espiritual é quando você é capaz de distinguir entre ” precisar ” e “querer” e é capaz de deixar ir o seu querer.
E por último, mas mais significativo!
12. Você ganha maturidade espiritual quando você para de anexar “felicidade” em coisas materiais!”

Jalal ad-Din Muhammad Rumi - Poeta Sufi do séc. XII

 Fonte da Imagem

sábado, 28 de janeiro de 2017

Meditações de Marco Aurélio - Paciência

Paciência não é fácil mesmo, a meditação abaixo foi  escrita em 167 d.C. pelo então imperador romano Marco Aurélio  (Marcus Aurelius Antoninus Augustus), em um caderninho de  anotações pessoais que o imperador intitulava simplesmente como “Para Eu Mesmoe que  mais tarde esses pequenos escritos foram reunidos como memórias póstumas ganhando  o nome de:  Meditações, composto por 12 livros, doze pequenos textos, onde Marco Aurélio da dicas sobre o auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal fruto de sua experiência nos combates, nas lutas do dia a dia.  


Marco Aurélio depois dos anos, e das lutas e  batalha que enfrentou, se transformou num verdadeiro budista, como exemplo, segue uma frase linda, que demonstra isso:

 “a única maneira em que um homem pode ser dominado por outros é permitir que sua reação tome conta de si”.


LIVRO 2

1. Começa cada dia por dizer a ti próprio: Hoje vou deparar com a intromissão, a ingratidão, a  insolência, a deslealdade, a má-vontade e o egoísmo — todos devidos à ignorância por parte do ofensor sobre o que é o bem e o mal. Mas, pela minha parte, já há muito percebi a natureza do bem e a sua nobreza, a natureza do mal e a sua mesquinhez, e também a natureza do próprio culpado, que é meu irmão (não no sentido físico, mas como meu semelhante, igualmente dotado de razão e de uma parcela do divino); portanto nenhuma destas coisas me ofende, porque ninguém pode envolver-me naquilo que é degradante. Nem eu posso ficar zangado com o meu irmão ou entrar em conflito com ele; porque ele e eu nascemos para trabalhar juntos, como, de um homem, as duas mãos, os dois pés, as duas pálpebras ou os dentes de cima e de baixo. Criar dificuldades uns aos outros é contra as leis da Natureza — e o que é a irritação, ou a aversão, senão uma forma de criar dificuldades aos outros?

(Livro 2 copiado ipsis litteris.)

Um dia chego lá...enquanto não tenho esse domínio sobre mim...vida que seque...