sábado, 28 de janeiro de 2017

Meditações de Marco Aurélio - Paciência

Paciência não é fácil mesmo, a meditação abaixo foi  escrita em 167 d.C. pelo então imperador romano Marco Aurélio  (Marcus Aurelius Antoninus Augustus), em um caderninho de  anotações pessoais que o imperador intitulava simplesmente como “Para Eu Mesmoe que  mais tarde esses pequenos escritos foram reunidos como memórias póstumas ganhando  o nome de:  Meditações, composto por 12 livros, doze pequenos textos, onde Marco Aurélio da dicas sobre o auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal fruto de sua experiência nos combates, nas lutas do dia a dia.  


Marco Aurélio depois dos anos, e das lutas e  batalha que enfrentou, se transformou num verdadeiro budista, como exemplo, segue  uma frase linda frase que demonstra isso:

 “a única maneira em que um homem pode ser dominado por outros é permitir que sua reação tome conta de si”.


LIVRO 2

1. Começa cada dia por dizer a ti próprio: Hoje vou deparar com a intromissão, a ingratidão, a  insolência, a deslealdade, a má-vontade e o egoísmo — todos devidos à ignorância por parte do ofensor sobre o que é o bem e o mal. Mas, pela minha parte, já há muito percebi a natureza do bem e a sua nobreza, a natureza do mal e a sua mesquinhez, e também a natureza do próprio culpado, que é meu irmão (não no sentido físico, mas como meu semelhante, igualmente dotado de razão e de uma parcela do divino); portanto nenhuma destas coisas me ofende, porque ninguém pode envolver-me naquilo que é degradante. Nem eu posso ficar zangado com o meu irmão ou entrar em conflito com ele; porque ele e eu nascemos para trabalhar juntos, como, de um homem, as duas mãos, os dois pés, as duas pálpebras ou os dentes de cima e de baixo. Criar dificuldades uns aos outros é contra as leis da Natureza — e o que é a irritação, ou a aversão, senão uma forma de criar dificuldades aos outros?

(Livro 2 copiado ipsis litteris.)

Um dia chego lá...enquanto não tenho esse domínio sobre mim...vida que seque...



Nenhum comentário:

Postar um comentário